Polifonias | companhia brasileira de teatro

Polifonias

Temporada | Ficha técnicaFotos

 2006

“Aquele que der uma volta e volte, e tiver mantido os olhos abertos,
conhecerá melhor a forma de sua jaula, os ângulos e os passos que preparam as fugas”.
                                                                                                              Julio Cortázar

Uma vez mandei um e-mail pra uma amiga, num típico dia curitibano, provavelmente irritado com a cidade e escrevi alguma baboseira melada do tipo “a minha casa está em mim”, essas coisas. Recebi como resposta: “Bem, esse negócio de dizer que a sua casa está em você é coisa de caracol. Eu fico com Zeca Pagodinho que disse que mora sobre seus sapatos. Não é genial ?!!!! “ Sim, sim é genial, mas o fato é que, hoje, meus sapatos e eu estamos em Curitiba, estamos em casa.

Novelas Curitibanas é uma casa. Hoje, um espaço que se abre novamente ao teatro. Quando uma casa se abre ao teatro, isso é motivo de comemoração. Inspirado por Curitiba, sob a influência da cidade onde vivo ou sob o que dela reverbera em mim, tento escrever algo sobre a cena que preparo para esta comemoração. Antes de qualquer coisa confesso que vim do Rio de Janeiro e que muitas vezes tive a nítida impressão de que nenhuma pessoa nasceu realmente em Curitiba – algum humor, jogo de palavras – e, na verdade, essa frase volta e meia parece real. Sempre que chego em Curitiba tenho a sensação contraditória de estar voltando pra casa e, ao mesmo tempo, chegando em Marte.

Então é sobre isso que posso dizer algo, duas ou três palavras sobre estar dentro e fora a um só tempo, sobre pertencer e ser estrangeiro no mesmo lugar, sobre o conforto terrível de se sentir em casa. Domingo chuvoso, manhãs claras de sábado, autofagia mofada, frio no apartamento, não ter distração nenhuma, ser concentrado à força, ir e ficar. Novamente as contradições. Nada de novo na crônica da cidade.

Reúno impressões sem compromisso e as devolvo em forma de fragmentos poéticos, brincadeiras críticas, canções nostálgicas e perguntas secas. Quinze a trinta minutos da polifonia que ressoa nos meus ouvidos e reflete a diversidade que percebo quando abro a janela do quarto e vejo a neblina: nada e todas as possibilidades.

Marcio Abreu

Curitiba, agosto de 2006.

*Polifonias foi criada especialmente para a reabertura do Teatro Novelas Curitibanas dentro do projeto “Sob a Influencia – 5 obras inspiradas por Curitiba”, do qual participaram ainda os diretores Edson Bueno, Felipe Hirsch, Fernando Kinas e Marcelo Marchioro.